Dirofilariose

O Verme do Coração foi diagnosticado em cães em todas as partes do mundo e é atualmente muito comum. Isto deve ocorrer porque o verme do coração tem uma prevalência de 100% em cães que não fazem tratamento profilático nas áreas altamente endêmicas. Este verme, também conhecido como dirofilária immitis, é transmitido por mosquitos. O mosquito injeta uma larva microscópica, que se desenvolve em um adulto, dentro do coração do cão doente.


Os vermes podem causar sintomas sutis como tosse, mas com o tempo, sintomas mais graves como insuficiência cardíaca congestiva, perda de peso, edema abdominal, desmaios, anemia, colapsos e morte geralmente ocorrem.


Felizmente, existem vários medicamentos excelentes para prevenir o verme do coração, se forem administrados corretamente. Existem medicações que devem ser dadas mensalmente e que também protegem contra alguns parasitas intestinais. Além disso, há medicação, que é administrada a cada 6 meses.


Mesmo que um cão tenha recebido medicação preventiva, ainda é importante fazer check ups anuais para dirofilária através de um exame de sangue. Muitas pessoas não são muito boas em dar a medicação preventiva de forma correta, mensalmente. Se um cão tem verme do coração e recebeu medicações preventivas, pode haver uma reação do organismo que é prejudicial ao cão, e até mesmo fatal.


Anteriormente pensava-se que os vermes do coração eram raros em gatos. Hoje nós sabemos que a incidência é em torno de 10% a 50% da incidência canina. A Doença do Verme do Coração em gatos é diferente da doença em cães. Gatos geralmente têm seus testes de diagnóstico negativos quando fazem seus check ups, pois os vermes são menores e normalmente não produzem microfilárias, que são os bebês do verme que ficam circulando na corrente sanguínea. Os veterinários tem que fazer testes diferentes, e às vezes, mais de um teste para diagnosticar a dirofilariose em um gato.