Hipotireoidismo

Hipotireoidismo é a deficiência natural do hormônio da tireoide e é o distúrbio hormonal comum nos cães. Essa deficiência é produzida por vários mecanismos diferentes. A causa mais comum (pelo menos 95% dos casos) é a destruição imunológica da glândula tireoide. Também pode ser causada pela atrofia natural da glândula, por deficiência de iodo na dieta, neoplasia (primária ou metastática) da tireoide ou raramente por um problema congênito. O Hipotireoidismo é comum em cães de porte pequeno, médio e grande que estão na meia idade (4 a 10 anos), mas pode ocorrer em qualquer cão.


O Hipotireoidismo é extremamente raro em gatos e é mais comumente visto, após a remoção bilateral da tireoide ou após terapia com iodo radioativo para Hipertireoidismo. Esta condição é normalmente transitória e geralmente não requer tratamento. Os gatos raramente apresentam hipotireoidismo congênito.


O hormônio da tireoide serve como uma espécie de botão de volume para o metabolismo. Como indiretamente  todas as células do organismo podem ser afetadas pelo hormônio da tireoide, não é surpresa que concentrações reduzidas do hormônio da tireoide possam levar a sintomas em múltiplos órgãos do corpo.


Um estudo publicado sobre cães com hipotireoidismo, apresentou os seguintes percentuais de sintomas:
88% apresentavam algum tipo de anormalidade dermatológica;
40% apresentavam queda de pelo (geralmente na cauda ou em ambos os lados do corpo);
22% apresentavam infecções na pele;
14% apresentavam pelagem ressecada e frágil;
49% apresentavam obesidade;
48% apresentavam letargia ou apatia em casa;
36% apresentavam anemia;
80% apresentavam um aumento de colesterol na concentração sanguínea.


O Hipotireoidismo é tratado através da administração oral do hormônio da tireoide, geralmente dado duas vezes ao dia por toda a vida do cão. Exames de sangue periódicos são recomendados; é importante saber se a dose da medicação está muito alta ou muito baixa. A suplementação do hormônio da tireoide é uma medicação segura, mas se não for dada em dosagem suficiente, o paciente não será adequadamente tratado. Se a dose for alta demais pode resultar em aumento do consumo de água, perda de peso e inquietação. Uma vez que um pet inicia a suplementação da tireoide, é recomendado que seja checada a concentração de T4 em duas a três semanas com uma coleta de sangue feita entre 4 a 6 horas após a dosagem da manhã. Uma vez que a dose adequada seja encontrada, é recomendado que seja feito um exame de T4 a cada 6 ou 12 meses.